Lançamento da Linha de Produtos Artesanais Eu Sou Crespa

Olha como essa nossa vida é... Há quatro anos me aventurei a fazer um blog para contar sobre o meu processo de transição que não foi fácil. A pedido de amigas fui fazendo deste cantinho um diário do que dava certo e o que não dava durante os 2 anos de transição que havia passado. 

Nesse processo duas pessoas muito especiais entraram na minha vida: uma foi Cíntia Araújo, a primeira a me fazer acreditar que era possível SIM ter um cabelo bonito sem química. Cuidou do meu cabelo como nunca havia sido tratada por uma profissional, ainda mais sendo a criatura TOP que ela é. Um coração gigante que abraçou a minha causa de assumir o natural. Foi a partir dela que acreditei que era possível e fui atrás aprender como lidar com esses cachinhos todos. Tempos depois, só tratando, chegou a hora do corte. Precisava de alguém incrível também. Era possível? Conseguiria achar? Um raio cai duas vezes no mesmo lugar? Teria outra sorte grande de novo?
Nessa minha busca encontrei Mônica Félix. Foi indicada pela minha amiga Aline para cortar. Sentei na cadeira da humildade com um recorte de revista de um corte que queria. Seria um corte radical para tirar as pontas lisas. Me questionei se aquela criatura de cabelo liso (e nessa época vermelho), saberia o que fazer com o meu cabelo metade liso, metade cacheado. Mas confiei. Pensei: Aline não é de dar dica errada... Hahahaha. Não só soube cortar como nunca mais larguei. Seu corte fez tanto sucesso que indicava pra todo mundo. A Mônica acabou com o tempo se especializando em cabelos étnicos. Hoje a clientela dela, em sua maioria, é crespa/cacheada. Adepta a medicina Ayrveda ela estuda sobre tudo que pode ser benéfico para os nossos fios. A bicha lacra falando de óleos, dá uma aula sobre alimentação, do que precisa para aquela sua finalidade. Muito legal.

E foi dela a vontade de fazer uma linha de produtos liberados para a técnica low / no poo. Segundo ela, 80% das clientes são adeptas dessas técnicas. Com a dificuldade de algumas em achar bons produtos ela começou a desenvolver e foi tendo uma resposta muito boa das pessoas. Comigo só com os produtos dela que meu cabelo se dá bem quando fico um tempo adepta ao low poo. Mas sentia a falta de um peso maior no finalizador. Por isso partimos eu, ela e o Lucas, filho da Mônica, para testes e mais testes até chegarmos aos produtos que me agradaram 100%. Levamos acho que quase 1 ano nesse processo. Fiquei super feliz com o resultado! MUITO! E muito agradecida também. 

Adianto o seguinte: A linha tem...

SHAMPOO livre de cloreto de sódio e derivados do petróleo 
CONDICIONADOR livre de óleo mineral e parafina líquida
MÁSCARA de nutrição 
LEAVE-IN livre de silicone e vaselina

A composição turbinada conto pra vocês no sábado já que todas tem um compromisso comigo. ;o)

Pra gente partilhar esse momento feliz convido vocês para estarem conosco no próximo sábado fazendo uma baguncinha ;o)

eu sou crespa


Vai ter um bazar indiano com peças LINDAS que Mônica trouxe da sua viagem pra Índia. 
Vai lá dar uma passada, jogar um papinho fora e conhecer a nova linha! 

Quem diria, hein? Quem diria que um dia eu teria uma parceria tão linda, com pessoas tão especiais?

Depois de tudo isso vejo o quanto assumir o cabelo natural foi libertador. Foi no passado que deixei toda aquela história do preconceito que me doía, me diminuía. Que me fez ouvir muitas vezes as frases: que apesar de ser branquinha tinha cabelo ruim; que meu cabelo cheio valia por duas cabeças; que ele não ia ficar comigo por causa do meu cabelo; que salão não era sinônimo de sair me sentindo melhor porque ninguém queria dar conta "desse tipo de cabelo"; que nada adiantaria na vida para o meu cabelo a não ser alisar e tantos outros absurdos. ACABOU!

Hoje tenho meus dias de guerra e de total amor pelos meus cachos ou crespo rebelde. Dias sem saco de cuidar, dias de todoooo cuidado, dias de frizz gigante, dias de definição total. E todo dia, seja no amor ou na raiva mór, a gente se entende demais.

Quando eu consegui (enfim) me libertar do ranço, do "é feio, não pode", descobri o quanto é mais fácil a gente ser apenas... a gente mesmo.

Te espero sábado ;o)

Bjs!


Compartilhe:

Sobre a Crespa

Claudia Montelage é cantora, botafoguense, libriana, sócia da Dois Versos e desde de 2012 pilota o blog "Eu Sou Crespa". Resenhas, tendências, transição, indicação de salões e profissionais, exemplos reais, aceitação e valorização do cabelo natural fazem parte dos temas abordados nesse espaço dedicado aos cabelos crespos e cacheados.!

8 comentários:

  1. Uuuui! Mas já e sábado agora! Parabéns! Graças ao seu trabalho aqui no blog eu conheci a Mônica e seus óleos maravilhosos. Sempre saio de lá com o cabelo lindo e super macio! Vou tentar fazer uma visita rápida já que tenho outros compromissos no dia! Bjus e continua dando dicas pra gente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida! Ficou em cima mesmo. Mas vamos armar outras baguncinhas pra todo mundo poder ir. ;o)
      Beijo grande!

      Excluir
    2. Vai ter em SP, Claudia???

      Excluir
    3. Oi, Carol! Por enquanto só no Rio mesmo. Mas já está rolando a venda online. Vem nesse link que conto tudo! ;o)
      http://www.eusoucrespa.com.br/p/produtos.html

      Excluir
  2. Fiquei curiosa para conhecer os produtos, moro perto do salão mas não poderei estar lá no sábado. Certamente vou experimentar o leave in porque estou tendo dificuldades de encontrar um liberado para chamar de meu. Quem sabe não será o da sua linha? ;)

    ResponderExcluir
  3. Nossa......sem palavras para as frases que citou sempre ouvir. E realmente, dói muito. Desde pequena ouço de pessoas que não entendem como alguém tão 'branca' pode ter cabelo crespo e volumoso! Ouço sempre! Estou me...eu diria, convencendo,educando,pensando em voltar a deixar minhas madeixas livres. Muita dúvida! Muita insegurança, ansiedade. E por acaso pesquisando achei seu blog. Estou me sentindo em casa, e a cada frase me convenço mais de que devo mesmo me permitir esta experiência novamente. Tenho cabelos alisados a mais ou menos 10 anos, usava guanidina e cachinhos, e aos 13 fiz a primeira escova progressiva (que na época o cheiro quase matava!). Depois disso alisamento na raíz com hidróxido de sódio por anos. Ano passado voltei a fazer somente a progressiva, percebi melhora no cabelo, caindo menos, crescendo mais, abandonei a chapinha por dois meses e sempre deixei secar 'ao natural'. Mas, além da raíz crescer desesperadamente rápido, já não me sinto bem com esse cabelo de sempre. Mas escuto tanto "o melhor é alisar" que fico pensando e pensando... Estou com muita dúvida ainda, mas já estou a um mês sem retocar a progressiva e querendo deixar mais, para então tentar uma opinião de quem realmente entende de cabelos crespos. Em Niterói NEVER! Estou muito ansiosa pra tentar um contato com as profissionais que indicou e poder desabafar e escolher uma alternativa boa para o meu cabelo voltar ao que era.

    Beijocas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fabíola! Obrigada por suas palavras! Olha... esse processo de voltar ao natural não é fácil mesmo mas com persistência e, acima de tudo se amando, não há quem te impeça de seguir em frente. Vá em quem entende sim. É outro tipo de tratamento, outra forma de te valorizar. A gente que sempre foi acostumada a achar que o nosso cabelo natural não é bonito, fica até estranhando quem entende e nos trata bem. Dá uma olhada nesse link aqui. A história da Clara. Ela hoje é uma mega cacheada. http://www.eusoucrespa.com.br/2012/03/transicao-da-clara.html
      e veja aqui a Clara 1 ano depois da transição. http://www.eusoucrespa.com.br/2013/06/noticias-da-clara-1-ano-depois-da.html
      Pra incentivar! ;o)
      Beijo!

      Excluir

Obrigada por participar!
Em breve seu comentário será publicado.