Pode me chamar de Nadí

No universo das cacheadas, que não usam mais química ou que nunca usaram, em algumas discussões, existe uma certa rivalidade. De um lado as cacheadas e de outros as que usam químicas. Todas querendo impor as suas visões sobre o assunto. E claro! A palavra preconceito aparece com tudo.

Sinceramente? 
Não defendo e nem condeno.

O que eu acho? Que cada um sabe o que é melhor para si e que a opção de mudança tá aí pra todo mundo.


Sou fã de Madonna, gente. Quer ser mais camaleônico?? :o)


Só uma amostra... tem muito mais.

Desde que criei o blog muitos amigos, os próprios leitores me enviam informações legais sobre cabelos crespos, cacheados, para debater, experimentar e colocar aqui nesse espacinho.
Alguns querem minha opinião sobre assuntos polêmicos envolvendo o preconceito e atos de combate a isso, discussões e afins. Dou minha pitada daquilo que mais me salta aos olhos. Tem coisa que não dá pra deixar passar.

Mas o maior ato que faço contra a discriminação é enaltecer cada vez mais a nossa mistura de raças, onde o resultado são essas cabeleiras, cores lindas que vivem por aí.
Não quero levantar bandeira alguma. O que falo por aqui é o que já senti, já passei, experimentei, até descobrir a beleza dos meus, dos seus cachos. Que sim, dá-licençaaaa: são belos!! Rá!
Ok, ok... admito: rebeldes de vez em quando (tiponesseexatomomento).

Meu discurso não é de mimimi. Curto muito hoje lidar com a graça dos momentos passados, mesmo que na época eu tenha sentido o contrário. O que busco é que as pessoas descubram uma forma de se sentir bem com o que a natureza presenteou. Mostrar que é possível. Tirar um pouco do caminho comum que leva para a padronização.


A gente demora a descobrir, mas quando descobre, que maravilha, né? E nem sempre é, porque tem dias que o pixaim não colabora de jeito nenhum. Mas já sei que com cuidado e carinho ele me entende.
Se o caminho for pra alterar a sua natureza, que seja. Nunca fui contra químicas e nem serei. O que vale é se a gente se sentir bem. Só defendo que precisamos descobrir o que é a nossa essência, os originais de fábrica, cuidar bem, para depois decidir o que fazer. E por que? Porque não somos incentivadas a isso desde cedo.

E aí trago um vídeo enviado por um grande amigo. Ele postou lá no meu Facebook e disse que lembrou de mim e de vocês. Ó que legal!
O vídeo é lindo e conta como uma menina, que vivia com o cabelo coberto por um boné, superou a vergonha e se libertou. E aí a gente substitui esse boné por um elástico, uma faixa, um arco ou qualquer outro tipo de prendedor e se reconhece na história.

Eu sei que o tempo é curto, que as ocupações gritam, mas quando der, reservem uns minutinhos pra curtir.
Vale muito a pena!








Escrito e dirigido por Déo Cardoso.
Produção de Tamylka Viana.
Elenco: Nadiézia Apolinário (Nadí), Laila Pires (Laila) e Rodger Rogério (Tapioqueiro).

Beijos!!

Compartilhe:

Sobre a Crespa

Claudia Montelage é cantora, botafoguense, libriana, sócia da Dois Versos e desde de 2012 pilota o blog "Eu Sou Crespa". Resenhas, tendências, transição, indicação de salões e profissionais, exemplos reais, aceitação e valorização do cabelo natural fazem parte dos temas abordados nesse espaço dedicado aos cabelos crespos e cacheados.!