Não existe cabelo ruim - Parte 2

Quando crescemos com essa certeza de que o nosso cabelo é ruim, ihhh...te contar: é uma lenha desfazer essa crença. Um briga sem fim com o cabelo, vários dinheirinhos gastos com tratamentos milagrosos, químicas a rodo, litros de lágrimas derramadas, uma agonia sem fim.

Tem a galera que parte pra química, "garra" no cabeleireiro que alisou / relaxou / progressivou e vive muito bem assim, grata. Mas existem aquelas que são siri na lata (como eu fui), que não sossegam. Uma busca inglória ao processo químico perfeito, a pílula mágica pra deixar o cabelo no combo:


RAIZ OBEDIENTE
(pra jogar de uma lado pro outro e voltar pro lugar)


CACHOS LARGOS 
(que nunca farofam ou desfazem)


PESO 
(daqueles que se a gente encarar um tufão vai só bater o cabelo depois que ele passar e pronto: ele volta normalmente ao seu lugar)

+

MACIEZ
(aquela sedosidade de comercial de shampoo)


Então, meus bens... serei obrigada a revelar a verdade dolorosa, nua e crua: nem Xisele tem um cabelo assim utilizando a lei do menor esforço. Haja baby liss para ter aqueles cachos divos, hidratação, cuidados mils, produtos milagrosos.

Enfim...

Tá, ela pode fazer o que quiser porque é RYCAAAAAHHHHHH!! Só que nem eu, nem você e nem 99% da população crespa pode morar no salão ou ter um personal hair.

Bora encarar a nossa realidade.


Foto: Pinterest

Eu tenho uma teoria. É uma teoria apenas mas vou partilhar.

Sabe porque acho que ficamos pulando de química em química e nunca estamos satisfeitas? Porque no fundo, láááá no fundo, queremos nos aceitar. É meio confuso isso, mas foi o processo que passei.

Quem quer ter um cacheado mas quer escolher esse crespo/cacheado deveria dar uma chance ao seu. Pode estar embaixo dessa química toda o cabelo que você sempre quis ter. Ou próximo a ele que dá pra conviver linda e feliz.


Foto: Pinterest

Aí você vai me dizer:
Cê num tá entendendo, CLAUDIAMMM!!!
Meu cabelo é HORROROSOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!

Responde pra mim, na sinceridade, no papo reto:

- Você conhece o seu cabelo natural?
- Antes de usar química já existia no mercado esse arsenal de produtos para cabelos cacheados?
- Antes de usar química você tratava dele? 
- Antes de usar química você fazia o cronograma capilar?
- Você cortava de 2 em 2 meses as pontas?
- Você se permitia a sair com o cabelo solto?

Se você disser não para, pelo menos duas das perguntas, lamento, meu beimmm!
Você não deu chance ao seu fio natural.

Sim, você vai me dizer que é EMPOSSÉVEEEEL conviver com o seu cabelo, que ele não enrola, não alisa, não nada.

Tá. Essa parte eu já conheço, sou solidária, aperto sua mão, consolo no abraço, mas vamos lá.

Foto: Pinterest

Farei uma analogia tosca, mas vem ni mim que vai servir.

Outro dia estava em um churrasco onde tinham uns móveis de madeira que, com toda certeza, em algum momento foram lindos. Do jeito que se encontravam, direto no tempo, pegando sol, chuva, vento, nada de um óleo, de uma cera, ficaram empenados, ressecados, literalmente se partindo. Mal comparando é isso que se faz com um cabelo que é mal cuidado.

Shampoo a beça, litros de condicionador, silicones não solúveis, sol no quengo (por mais que você diga que não pega sol ele tá lá em cima quando você sai de dia), vento, poluição, atochando de creme de pentear, aquela mão que já pegou em TUDO passando nos fios...
Ah, sim! Plus para as que usam secador, aquele calor mais um óleozinho TOP (que na real frita) e tração nos fios. Dilíça!

Aí você vai me dizer:  EU HIDRATOOOOO!!!

Xuxu, 1 vez ao mês nem eu, nem seu cabelo contabiliza.

Com tudo isso, penseeee na qualidade desses fios!
Ficam o ó. Falo com propriedade porque o meu era assim. Um bloco compacto, sem forma. E ainda hoje, se dou dou mole, não cuido, ó que belezura!

Foco nessa parte de trás Lyndra! Não, a foto não está tremida.

Então vamos mudar esse discurso do cabelo ruim? Pelo menos o nosso discurso de cabelo ruim.

Não quero entrar agora a fundo na questão do racismo, que é presente, doloroso, bizarro, surreal. A cada dia são inúmeros relatos de racismo que me deixam chocada. Só que decidi: não quero apenas compartilhar, externar essas situações absurdas pra demonstrar o meu choque. Não quero dar destaque a essa gente infeliz que tenta oprimir porque tem uma vida vazia, odiosa, sem amor.

Importantíssimo combater, necessário denunciar, mas além disso é fundamental dar voz ao que nos valoriza. E só conseguimos isso com informação, nos olhando no espelho e nos orgulhando do que somos, da nossa história, da nossa beleza.

Desejo muito que você se sinta bem com o black divo que tem aí. Os outros? A gente deixa pra lá.

Bora buscar a nossa força pra enfrentar esse mundo que carece de amor, de felicidade.
Vamos soltar essas amarras.


Foto: Pinterest

Quer começar o processo?

Então, bora! Tem que hidratar. Tem que cuidar. Tem que se amar.

Vai ser fácil? Não.
Transição? Tem vida própria, rebelde que só.
Consigo? Sim!
E depois? Vai se sentir como? Libertaaaaaaaaa!

E aí? Começa como?

Por aqui. No Mapa da Mina da Crespa.

Se joga, segura minha mão, que te ajudo! Partiu! ; )


Texto complementar ao post Não existe cabelo ruim - o início

Compartilhe:

Sobre a Crespa

Claudia Montelage é cantora, botafoguense, libriana, sócia da Dois Versos e desde de 2012 pilota o blog "Eu Sou Crespa". Resenhas, tendências, transição, indicação de salões e profissionais, exemplos reais, aceitação e valorização do cabelo natural fazem parte dos temas abordados nesse espaço dedicado aos cabelos crespos e cacheados.!