Exemplos da Vida Real - Talita Cassimiro


Hoje apresento a vocês a história de Talita Cassimiro.
Ela que foi a noiva que me inspirou a fazer o post dos penteados.
O relato dela vem de encontro a história de muitas de nós que nos reconhecemos em vários momentos do difícil processo de se aceitar, se libertar, se permitir.
Me emocionei com sua história e tenho certeza que você vai se emocionar também.

Chega mais! ;o)

Meu nome é Talita Cassimiro Caetano, tenho 27 anos, e estava já há um bom tempo pra te escrever. Primeiro pra agradecer por ter tido essa ideia incrível de  fazer o blog, dando dicas tão legais pra quem tá começando. E segundo, pra contar a minha história, que talvez possa servir de ajuda pra alguém. Então senta que lá vem muita HISTÓRIA...

Eu costumo dizer que sou a cara da miscigenação: filha de morena com negro, nasci branca com cabelo BEM cacheado e olhos verdes. Aí passei a infância ouvindo aquela história de "tadinha... o cabelinho dela é tão ruim" ou "ain... seus olhos são tão bonitos, vc poderia ser loira e ter cabelo liso"... e isso me marcou profundamente. Nunca me senti bem com a minha aparência, principalmente com o meu cabelo. Pra completar, minha mãe nunca teve muita paciência pra pentear cabelo e etc... como tenho outras duas irmãs (a do meio com cabelo bem crespo e a caçula com cabelo mais ondulado), tratei de me pentear sozinha desde cedo. E meu sonho era ter um cabelo lindo e principalmente LISO.


Talita pequena.

Aos 12 anos minha mãe fez, em casa, a primeira química no meu cabelo - era um relaxamento, daquelas caixinhas de "Hairlife Solto e Natural". Em resumo, meu cabelo ficou horroroso e fedendo por dias... depois de algumas caixinhas e anos, muitas químicas, nunca me sentia bem com o meu cabelo. Até os meus 21 anos eu nunca cogitei largar a química, até porque eu não fazia ideia de como o meu cabelo era na verdade. Sabia que era "ruim" e "indomável".

Aos 23 anos, tive a oportunidade de estudar nos EUA. Participei de um processo seletivo na UFRJ e ganhei uma bolsa de estudos para fazer 2 períodos lá. Nessa época, eu estava passando por um aperto financeiro muito sério. Fui pros EUA com uma raiz de 3 meses - transição forçada pela pobreza - e fui achando que iria arrasar nos salões americanos fazendo milhões de químicas. A primeira providência que tomei foi colar numa menina negra lá da faculdade - perguntei onde eu achava um bom salão pra cuidar do meu cabelo - ela me olhou e disse: "menina, seu cabelo é liso... seu cabelo é liso..." eu fiquei impressionada, mas pros padrões dos salões americanos, e pra quantidade enorme de químicas que eu tinha, ela estava certa. Fiquei sem química por mais 6 meses, e decidi parar totalmente ou então pelo menos diminuir a química. Até então eu estava com alisamento + escova inteligente - antes já tinha passado por guanidina, hidróxido de sódio, hidróxido de lítio, etc, etc, etc... Pela primeira vez na minha vida, as pessoas me diziam que o meu cabelo era bonito e que eu era muito exótica - e eu nunca tinha percebido isso - estava acostumada com aquela coisa do "cabelo certo e cabelo errado" e foi muito bom ver outras opiniões e visões. Voltei ao Brasil decidida a fazer um Big Chop. Enquanto ainda estava lá, lembro de postar fotos no Facebook e ver minha mãe comentando - "Meu Deus!! Sua raiz está enorme!!!".

Quando voltei, minha mãe disse: "vamos logo fazer esse cabelo!!" - fomos num salão onde ela costumava ir (isso foi em 2011, véspera do meu aniversário). Expliquei pra cabeleireira que eu estava querendo parar com a química e que queria tirar o máximo de pontas com química - ela disse que iria cortar e fazer uma hidratação. Quando ela lavou o meu cabelo, depois da tal "hidratação" eu percebi que ela tinha feito outra química, um relaxamento, e meu cabelo estava numa altura de chanel (bem curto) e horroroso.

Eu não conseguia ter outra reação a não ser chorar - chorei e chorei muito. De desespero por ter esperado 9 meses de raiz, por me sentir desrespeitada (a cabeleireira disse que fez a química porque sabia que "eu não aguentaria ficar sem a química e que eu não tinha como ficar sem química, porque meu cabelo era muito ruim) e por tudo mais. Então eu tive que fazer uma escova de chocolate, pra poder usar meu cabelo - que depois dessa "hidratação" ficou com aquele aspecto horrível de bagaço de laranja.



Na foto da esquerda quando voltada do salão e na direita ele sempre preso.

Depois disso, desisti da transição, e comecei a fazer escova definitiva - 5 longas horas de alisamento + neutralizante + escova + prancha + lavagem + química definitiva + escova + prancha, seguidos de 4 dias sem prender nem encostar nem lavar o cabelo - era uma tortura pra mim! Fiquei assim por mais 3 anos, e sempre que andava na rua e via alguém como cabelo cacheado eu ficava triste por não ter conseguido fazer a minha transição. Até que em Março de 2013 o meu agora marido me pediu em casamento. Todas as crises de ser noiva aconteceram, e eu me pegava pensando em como eu iria lidar com o meu cabelo quando estivesse grávida, ou se eu faria com os meus filhos essa pressão pela busca do cabelo certo ou perfeito... então em 18/07/2013 eu fiz a minha última química - que foi uma escova com cheiro forte, bem doce. Já não lembro mais qual era a composição.

Só havia um porém: meu casamento estava marcado para o dia 19/06/2014 - ou seja, eu teria menos de 1 ano para fazer a transição completa, porque meu objetivo era casar com o cabelo totalmente natural. Primeiro fui numa dermatologista, e perguntei se havia alguma vitamina ou remédio para que o meu cabelo crescesse mais rápido e mais saudável. Ela me receitou um que tomo até hoje. Depois fiz umas pesquisas na Internet e achei o seu blog. E por fim achei o contato da Mônica. Fizemos um planejamento básico, e aos poucos fui conhecendo o meu cabelo -  e, por fim, no dia 06/06/2014 (12 dias antes do meu casamento) cortamos totalmente a parte com química do meu cabelo - foi muito libertador - tem até foto no Instagram dela (@monica.felixdelima.7).


Dia do Big Chop com a Mônica.

Me sinto melhor do que nunca - estou realizada com o meu cabelo. A indicação da dermatologista junto com o tratamento com óleos que a Mônica passou, além de cortar regularmente o cabelo, me rendeu cerca de 20 cm de cabelo novo (fora todo o baby hair) em um pouco mais de 10 meses. Agora, com mais de 1 ano sem química, estou amando as hidratações e nutrições. Fico um tempão sentindo o meu cabelo, coisa que eu não fazia antes porque vivia de trança ou cabelo preso.

Recebi muito apoio do meu marido, sempre. Ele foi o primeiro a me apoiar. Minhas amigas também me apoiaram muito. É um caminho bem difícil, precisamos sempre de apoio, apesar de nunca ter pensado em desistir. Minha daminha de honra foi a minha inspiração com o seu mini blackinho.

Já em casa a reação não foi a mesma - até hoje a minha mãe pede pra eu voltar a alisar o cabelo, dizendo que era muito melhor liso e etc. As perguntas durante o processo de transição eram as mais diversas: porque você está fazendo isso? Você está sem dinheiro? Mas você está fazendo isso só por causa do casamento? Eu ria muito disso tudo.

Enfim, é isso. Vou na Mônica em breve pra fazer aquela hidratação mara de algas, e talvez fazer umas mechinhas loiras... vamos acompanhar as cenas dos próximos capítulos.

Ahn, antes que eu me esqueça: teve o episódio do save the date (aquele ensaio que os noivos fazem antes do casamento). Nessa época eu ainda não tinha feito a transição total. O fotógrafo pediu que eu fosse de cabelo solto, o que não aconteceria sem uma escova. Fiz a escova e a umidade do dia destruiu tudo - as fotos ficaram tão bizarras, que eu nem divulguei.

Abaixo as fotos do Save The Date, com a daminha e o pajem e do casamento.


Dia do Save The Date.

Ensaio do casamento com a daminha e o pajem.

Preparativos do casório - Fotos Wanderson Carneiro Fotografia


Preparativos do casório - Fotos Wanderson Carneiro Fotografia

Noiva pronta!  Fotos Wanderson Carneiro Fotografia

Radiante!  Fotos Wanderson Carneiro Fotografia

Na lua de mel com o maridão.

Bjins, e obrigada por ter lido e pelas dicas em todo o processo.

Acesse aqui a segunda parte do Exemplos da Vida Real com a Talita.


Minha flor, eu que agradeço a confiança, de coração!
Estás linda, radiante e muito, mas MUUUUUITO mais bonita crespa!

Parabéns pela sua coragem! Tenho certeza que a sua história vai ajudar muito outras crespinhas que estão nesse processo.

Crespinhas queridas, ainda teremos a segunda parte com as perguntinhas que faço sempre para as bonitas nesse post. Aguardemmmmm!

Beijo!



Compartilhe:

Sobre a Crespa

Claudia Montelage é cantora, botafoguense, libriana, sócia da Dois Versos e desde de 2012 pilota o blog "Eu Sou Crespa". Resenhas, tendências, transição, indicação de salões e profissionais, exemplos reais, aceitação e valorização do cabelo natural fazem parte dos temas abordados nesse espaço dedicado aos cabelos crespos e cacheados.!