Dicas das Crespinhas - As técnicas No Poo e Low Poo por Ju Silva

Se esse blog tem dois anos e pouquinho, tem uns 5 que faço a linha pidona para a Ju Silva escrever aqui! =D

A Ju é uma querida que acompanha esse cantinho desde o começo. Sempre comentando com uma propriedade imensa, dando dicas, trocando várias ideias. Me lembro que ela comentou que estava iniciando o Low Pow em um dos comentários que o Ronaldo Cachos fez - querido que recomendo muito a leitura - no post sobre os Tipos de Cabelos.

Muita gente me pergunta sobre a técnica do No Poo e Low Poo. Eu poderia tentar explicar, mas acho que só uma pessoa que fez poderia dar a real noção de forma rápida e prática.

Logo, perturbei tanto que a venci pelo cansaço. YES! =D

Segue abaixo post maravilhoso, escalrecedor da querida Ju Silva pra vocês. ;o)


No poo
Roubei a fotinha da Ju. ;o)

Olá crespas e crespos! Eu sou Ju Silva, uma pessoa que entende pouco de técnicas capilares, e menos ainda de escrever posts para um blog. Aviso logo! Hahay! Mas gosto de ler e mais ainda, de experimentar coisas que me ajudem no cuidado com meus cabelos. Eu adoro ter crespo e acredito que, quando a gente cuida, a gente valoriza mais nossos fios naturais, sejam eles como forem.

A Claudinha me sugeriu escrever essas mal traçadas linhas, porque utilizei, durante um tempo, a técnica Low Poo. E apesar de não seguir mais com essa linha de cuidados (logo mais explico o porquê), eu ainda utilizo vários elementos da técnica, e é isso que vou dividir com vocês. 

Só pra contextualizar, No/Low Poo, consiste em você deixar o seu cabelo livre do sulfato dos xampus, e dos silicones presentes na maioria dos condicionadores, máscaras de tratamento e cremes de pentear. A explicação, de forma bem geral, é a seguinte: O sulfato resseca os fios, e o silicone (incluindo a parafina e o óleo mineral), apesar de aparentemente conferir brilho e maciez aos cabelos, forma uma camada que impede que os ingredientes realmente importantes penetrem nos fios. Além disso, só o sulfato consegue remover os resíduos dos silicones e afins, e por isso, uma coisa está necessariamente atrelada à outra. No Low, você pode utilizar xampus com pouco sulfato, intercalando também com o Co-Wash (lavar os cabelos com condicionadores liberados). 

O No Poo é a versão mais “radical” da técnica, quando não se utiliza nenhum tipo de sulfato e preza-se pelo Co-Wash. No nosso amigo-para-todo-o-sempre, Google, vocês podem encontrar explicações bem detalhadas sobre o assunto, e ainda, uma lista das substâncias proibidas na utilização dessa técnica. - Um exemplo é esse link do blog Cacheadíssimas e tem esse post com os nomes das substâncias proibidas no blog do Ronaldo. -  Pois é minha gente, toda vez que for comprar qualquer produto, tem que ler a composição. No início, eu andava com uma listinha na carteira, e lá ia eu sacar a minha “colinha” e conferir os rótulos nas perfumarias. Dá trabalho, mas vale a pena. Os resultados são muito bons, em alguns casos, impressionantes.

Ok,  Ju. Se é tão bom, por que você não utiliza mais? Será que é por que você é preguiçosa? Também! Haha! Mas o principal: Eu tenho uma dermatite rara no couro cabeludo, de origem emocional (né de lascar?) e eu não consegui sentir minha raiz muito limpa, sequinha, como eu preciso que ela fique para não haver a descamação provocada por essa “característica dermatológica” que eu tenho. Existem alguns recursos na própria técnica para amenizar resíduos, como a utilização de óleo de rícino, por exemplo, além de alguns tônicos liberados. Mas a verdade é que eu me senti mais confortável utilizando o velho xampu, cheio de detergente mesmo. A vida é assim! 

Agora vamos para o que eu aprendi de mais importante com a técnica, e ainda utilizo no meu fuá: A utilização dos óleos vegetais! 


No poo low poo
Óleos


Eles são muito, muito importante para a nutrição dos cabelos. As máscaras de nutrição têm seu valor e muito. Porém, se vocês observarem na composição delas, os óleos nunca estão entre os primeiros ingredientes da lista. Essa composição funciona assim: O primeiro item é o que se concentra em maior quantidade no produto, e assim sucessivamente. Já vi rótulos em que o óleo é o penúltimo ou último item da composição, ou seja, só tem o rastro.  Existem várias opções de uso para os óleos vegetais, tipo:

:: Utilizar no Pré-Poo: “E o que danado é pré-poo, moça?” É uma forma de proteger os fios quanto ao ressecamente provocado pela lavagem. Então você massageia óleo nos cabelos, livrando a raiz, antes de utilizar o xampu. Você pode utilizar qualquer óleo, inclusive o Elseve ou Fructis. Porém, eles têm silicones, e eu continuo acreditando que o silicone “blinda” os fios para a “entrada” do que realmente importa, que são as substâncias emolientes

:: Antes do creme de pentear: Isso eu aprendi com a Crespa! Ela utiliza o óleo antes de aplicar o leave in, e quando fiz isso, o aspecto do meu cabelo ficou mais saudável e macio. Daí eu fiquei pensando em como fazer isso com o óleo vegetal, porque ele pode ser bom todo, mas cheiroso ele não é! ;) Aí eu adaptei: Coloquei água num borrifador, o óleo, e algumas gotas de óleo essencial de lavanda. Aliás gente, óleo de lavanda salva qualquer creme fedorento... Hahahahaha. Eu borrifo esse líquido após o processo de lavar/condicionar e vou ser feliz com meu creme de pentear e meu finalizador.

:: No Day After: Pois é. Essa é a sina dos cacheados/crespos. Acordar com os cabelos desalinhados, com frizz e sem forma. Pelo menos comigo, é assim e muito! Mas eu nunca gostei de molhar pra valer o cabelo, sem lavar. Já fiz muito, mas não acho saudável. Então, eu pego aquele mesmo borrifador, e utilizo, como qualquer spray que vocês costumam usar. Eu passo também um pouco de finalizador, mas quem não tem os cabelos muito secos, nem precisa! Só essas borrifadas resolvem e muito o lance do “cabelo do outro dia”.

:: No Cronograma Capilar: A Crespinha já postou e acho digno falar novamente: Seguir o cronograma de hidratação-nutrição-reconstrução é importantíssimo para a saúde dos cabelos. Na etapa “nutrição”, como falei acima, você pode utilizar as máscaras recomendadas, mas não custa dar um “up” nelas com uma colher de óleo vegetal, não é verdade? Além disso, a “umectação capilar”, que também faz parte da nutrição, é muito eficaz para quem tem cabelos secos. Você utiliza um bom óleo em todo o cabelo, por um tempo considerável (algumas pessoas deixam de um dia para o outro), e depois o cabelo pode ser lavado normalmente, de preferência utilizando uma máscara antes do condicionador.


No poo


E finalmente, porque sei que vocês não me aguentam mais, segue aqui a sugestão de alguns óleos muito utilizados: Coco, Amêndoas, Castanha, Macadâmia, Girassol, Rícino e Azeite. Eu particularmente uso mais o de coco e macadâmia, mas vai da adaptação de cada cabelo.

Ok, ainda não era finalmente. Tem uma coisa que gostaria muito de esclarecer. Eu gostaria que cada vez mais e mais pessoas descobrissem que há formas de valorizar os seus cabelos, cacheados ou crespos. Li uma vez no facebook a seguinte frase: “Assumir seu Black não é só um ato estético, mas um ato político”. É assim que eu entendo. Deixar o cabelo natural é lutar contra um sistema que teima em querer determinar um padrão de beleza, estabelecido por uma cultura machista, racista e repressora. Sentir-se bem consigo e com suas raízes é essencial para um futuro mais igualitário. Agora sim eu vou-me! Agradecendo muito à Claudinha pelo convite feito por pura generosidade e atenção, e à vocês por lerem essas besteiras aqui. Hahahaha!

-------------------

Quem tiver perguntas para a Ju, deixe seu recadinho nos comentários. ;o)

Obrigada, flor querida!!!
Honrada com a sua participação. ♥ ♥ ♥
Espaço sempre aberto para você. ;o)
Beijo grande! 

Compartilhe:

Sobre a Crespa

Claudia Montelage é cantora, botafoguense, libriana, sócia da Dois Versos e desde de 2012 pilota o blog "Eu Sou Crespa". Resenhas, tendências, transição, indicação de salões e profissionais, exemplos reais, aceitação e valorização do cabelo natural fazem parte dos temas abordados nesse espaço dedicado aos cabelos crespos e cacheados.!

4 comentários:

  1. Muito bom o post, Ju! Mandei direto pra minha mãe que tá passando pela transição agora! É complicado explicar porque são muitos detalhes e informações. Eu vou tentando passar o que eu uso, como faço mas fico pensando que uma pessoa na transição ouvindo isso só deve pensar em voltar a alisar que é mais fácil! rsrsrs Mas eu digo que vale suuuuuuuuuuuper a pena!!! Ainda não decorei a listinha não e às vezes fecho os olhos! Mas quando uso um que comprei porque era modinha, bonito ou cheiroso e percebo que deixa meus cabelos "murchos" lembro que devia ter escolhido melhor...

    Como é dura a vida da bailarina CACHEADA!!!! rsrs

    Beijos e obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rach, não é uma rotina simples, realmente! Mas como você disse, o silicone dá uma murchada nos cabelos, é impressionante para quem já fez a técnica, a diferença nos fios. Mas eu realmente estou como você, sendo menos radical... Agora, acho que essa técnica na transição é importantíssima! E se sua mãe tiver alguma dúvida, segue meu e-mail: ju80_silva@yahoo.com.br

      Bjocas!

      Excluir
  2. Amei. Palavras claras com simplicidade, fácil de entender. Já li sobre o mesmo assunto e teve posts que li, reli e ñ entendi. Continue, Ju Silva. Vc tem o dom!!!!!Parabéns ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainnnnn, que bom Eliana! Nunca escrevi sobre cabelos, e fico feliz que tenha acertado. Estou à disposição, viu?

      Bjos.

      Excluir

Obrigada por participar!
Em breve seu comentário será publicado.